quinta-feira, 27 de março de 2008

Depois de te perder
Te encontro, com certeza
Talvez num tempo da delicadeza
Onde não diremos nada
Nada aconteceu
Apenas seguirei, como encantado
Ao lado teu

(Chico Buarque)

A ALMA DO OUTRO

A alma do outro é uma floresta escura”, disse o poeta Rainer Maria Rilke, meu único autor de cabeceira.
A vida vai nos ensinando quanto isso é verdade. Pais e filhos, irmãos, amigos e amantes podem conviver décadas a fio, podem ter uma relação intensa, podem se divertir juntos e sofrer juntos, ter gostos parecidos ou complementares, ser interessantes uns para os outros, superar grandes conflitos – mas persiste o lado avesso, o atrás da máscara, que nunca se expõe nem se dissipa.
Nem todos os mal-entendidos, mágoas e brigas se dão porque somos maus, mas por problemas de comunicação. Porque até a morte nos conheceremos pouco, porque não sabemos como agir. Se nem sei direito quem sou, como conhecer melhor o outro, meu pai, meu filho, meu parceiro, meu amigo – e como agir direito?
Neste momento escrevo, como já disse, um livro sobre o silêncio. Começou como um ensaio na linha de O Rio do Meio e Perdas & Ganhos, mas acabou se tornando um romance, em pleno processo de elaboração. Isso me faz refletir mais agudamente sobre a questão da comunicação e sua por vezes dramática dificuldade, pois nos mal-entendidos reside muito sofrimento desnecessário.Amor e amizade transitam entre esses dois “eus” que se relacionam em harmonia e conflito: afeto, generosidade, atenção, cuidados, desejo de partilhamento ou de vida em comum, vontade de fazer e ser um bem, e de obter do outro o que para a gente é um bem, o complicado respeito ao espaço do outro, formam um campo de batalha e uma ponte. Pontes podem ser precárias, estradas têm buracos, caminhos escondem armadilhas inconscientes que preparamos para nossos próprios passos em direção do outro. O que está mergulhado no inconsciente é nosso maior tesouro e o mais insidioso perigo.Pensar sobre a incomunicabilidade ou esse espaço dela em todos os relacionamentos significa pensar no silêncio: a palavra que devia ter sido pronunciada, mas ficou fechada na garganta e era hora de falar; o silêncio que não foi erguido no momento exato – e era o momento de calar.
Mas, como escrevi várias vezes, a gente não sabia. É a incomunicabilidade, não por maldade ou jogo de poder, mas por alienação ou simples impossibilidade. Anos depois poderá vir a cobrança: por que naquela hora você não disse isso? Ou: por que naquele momento você disse aquilo?
Relacionar-se é uma aventura, fonte de alegria e risco de desgosto. Na relação defrontam-se personalidades, dialogam neuroses, esgrimem sonhos e reina o desejo de manipular disfarçado de delicadeza, necessidade ou até carinho. Difícil? Difícil sem dúvida, mas sem essa viagem emocional a existência é um deserto sem miragens.
No relacionamento amoroso, familiar ou amigo acredito que partilhar a vida com alguém que valha a pena é enriquecê-la; permanecer numa relação desgastada é suicídio emocional, é desperdício de vida. Entre fixar e romper, o conflito e o medo do erro.
Somos todos pobres humanos, somos todos frágeis e aflitos, todos precisamos amar e ser amados, mas às vezes laços inconscientes enredam nossos passos e fecham nosso coração. A balança tem de ser acionada: prevalecem conflitos ásperos e a hostilidade, ou a ternura e aqueles conflitos que ajudam a crescer e amar melhor, a se conhecer melhor e melhor enxergar o outro? O olhar precisa ser atento: mais coisas negativas ou mais gestos positivos? Mais alegria ou mais sofrimento? Mais esperança ou mais resignação?Cabe a cada um de nós decidir, e isso exige auto-exame, avaliação. Posso dizer que sempre vale a pena, sobretudo vale a pena apostar quando ainda existe afeto e interesse, quando o outro continua sendo um desafio em lugar de um tédio, e quando, entre pais e filhos, irmãos, amigos ou amantes, continua a disposição de descobrir mais e melhor quem é esse outro, o que deseja, de que precisa, o que pode – o que lhe é possível fazer.Em certas fases, é preciso matar a cada dia um leão; em outras, estamos num oásis. Não há receitas a não ser abertura, sinceridade, humildade que não é rebaixamento. Além do amor, naturalmente, mas esse às vezes é um luxo, como a alegria, que poucos se permitem.
Seja como for, com alguma sorte e boa vontade a alma do outro pode também ser a doce fonte da vida. (Lya Luft)

Fico com medo

Fico com medo.
Mas o coração bate.
O amor inexplicável faz o coração
bater mais depressa.
A garantia única é que eu nasci.
Tu és uma forma de ser eu,
e eu uma forma de te ser:
Eis os limites de minha possibilidade.
(Clarice Lispector)

"Em luta, meu ser se parte em dois. Um que foge, outro que aceita. O que aceita diz: não. Eu não quero pensar no que virá: quero pensar no que é. Agora. No que está sendo. Pensar no que ainda não veio é fugir, buscar apoio em coisas externas a mim, de cuja consistência não posso duvidar porque não a conheço. Pensar no que está sendo, ou antes, não, não pensar, mas enfrentar e penetrar no que está sendo é coragem. Pensar é ainda fuga: aprender subjetivamente a realidade de maneira a não assustar. Entrar nela significa viver."

(Caio Fernando Abreu)

quarta-feira, 26 de março de 2008


A música que atualmente está tocando no blog (Love Will Show You Everything) faz parte do filme 'Antes que termine o dia', a personagem de Jennifer Love é quem escreve a música pra o seu amado, porém não tem coragem de lhe mostrar...Lindo filme, linda história...Um dos meus romances preferidos!!! Aí vai a tradução:


Nosso Amor Vai Nos Mostrar Tudo

Hoje, hoje apostei minha vida
Você não faz idéia
Do que sinto por dentro
Não tenha medo de demonstrar
Pois nunca saberá
Se não deixar sair

Eu te amo
Você me ama
Aceite este presente e não pergunte o porquê
Pois se você me permitir
Vou pegar o que te assusta
E guardar lá dentro
E se me perguntar porque... Estou com você
E porque nunca te deixarei
Deixe
O amor vai te mostrar tudo.

Um dia, quando a juventude
for só uma memória
Sei que você estará ao meu lado

Eu te amo
Você me ama
Aceite este presente e não pergunte o porquê
Pois se você me permitir...
Vou pegar o que te assusta
E guardar lá dentro
E se me perguntar porque... Estou com você
E porque nunca te deixarei
Deixe
Meu amor vai te mostrar tudo
Meu amor vai te mostrar tudo
Meu amor vai te mostrar tudo
Nosso amor vai nos mostrar tudo
(Jennifer Love Hewitt)

Foto: Jennifer Love Hewit e Paul Nicholls in Antes que termine o dia

terça-feira, 25 de março de 2008



"...É preciso que eu suporte duas ou três larvas se quiser conhecer as borboletas.Dizem que são tão belas!"

[A Rosa - O Pequeno Príncipe]

O Mestre da Vida




Jesus, o Mestre da Vida, nos deu lições inesquecíveis. Mostrou-nos que a vida é o maior espetáculo do mundo! A vida que pulsa na criatividade das crianças, na despedida dos amigos, no abraço apertado dos pais, na solidão de um doente, no choro dos que perdem seus seres amados...
Quando você estiver só no meio da multidão, quando errar, fracassar e ninguém o compreender, quando as lágrimas que nunca teve coragem de chorar escorrerem silenciosamente pelo seu rosto e você sentir que não tem mais forças para continuar sua jornada, não se desespere!
Pare! Faça uma pausa na sua vida! Não dispare o gatilho da agressividade e do auto-abandono. Enfrente seu medo! Faça do seu medo alimento para sua força. Destrave a sua inteligência, abra as janelas da sua mente, areje o seu espírito! Permita-se ser ensinado pelos outros, aprenda lições dos seus erros e dificuldades. Liberte-se do cárcere da emoção e dos pensamentos negativos. Jamais se psicoadapte à sua miséria!
Lembre-se do Mestre da Vida! Ele nos ensinou a sermos livres mesmo diante das turbulências, perdas e fracassos, mesmo sem haver nenhum motivo aparente para nos alegrarmos. Tenha a mais legítima de todas as ambições: ambicione ser feliz!
Lembre-se que Jesus Cristo, um ser humano igual a você, passou pelos mais dramáticos sofrimentos e superou com a mais alta dignidade. Seja apaixonado pela vida como ele foi. Lembre-se que por amar apaixonadamente a humanidade, ele teve o mais ambicioso plano da história. Mantenha em mente que nesse plano, você é uma pessoa única, e não mais um número na multidão.
A vida que pulsa na sua alma torna você especial, inigualável, por mais dificuldades que atravesse, por mais conflitos que tenha. Portanto, erga seus olhos e contemple o horizonte! Enxergue o que ninguém consegue ver! Há um oásis no seu no fim do seu longo e escaldante deserto!
Saiba que as flores mais lindas sucedem aos invernos mais rigorosos. Tenha convicção de que nos momentos mais difíceis de sua vida você pode escrever os mais belos capítulos de sua história.
Nunca desista de você! Dê sempre uma chance a si mesmo! Nunca desista dos outros! Ajude-os a corrigir as rotas de suas vidas. Mas, se não conseguir, poupe energia, proteja sua emoção e aguarde que eles queiram ser ajudados. Enquanto isso, aceite-os do jeito que são, ame-os com todos os defeitos que têm. Amar traz saúde para a emoção.
Jesus encantava as pessoas com suas palavras. As multidões ao ouvi-lo, renovavam suas forças e encontravam um novo sentido para suas vidas! Ele reacendeu a esperança de muitos... Compreendeu o que é ser homem e fez poemas sobre a vida, até sangrando... Brilhou onde não havia nenhum raio de sol...

(O Mestre da Vida, Augusto Cury)

domingo, 23 de março de 2008


Aii...
Hoje tive um momento muito difícil comigo mesma. Sabe, as vezes me canso de ser eu, não aguento estar na minha vida, uma vida onde quero mudar muitas coisas e não consigo, ou não tenho coragem, estou tão cansada de sentir esse medo, de sentir essa incapacidade. Quero fugir, viver no mundo da lua mesmo, me esquecer de mim, da minha vida, das pessoas que gosto, dos meus compromissos, sei lá, estou tão cansada, virar uma esquizofrênica não seria má idéia...
São momentos assim que quero ser outra pessoa, ou de outro planeta, como a personagem de um garoto do filme que assiste nesse fim de semana (Ensinando a viver)...Esse garoto tinha um trauma, ele foi abandonado pelos pais e então pra enfrentar isso e aguentar viver ele começou a a agir e dizer que era um ser de outro planeta, que era de Marte, tendo vários comportamentos estranhos...Essas atitudes geravam a segurança que ele não encontrou em sua vida normal, só assistindo pra entender bem o que quero dizer, até por que não tem graça eu contar o filme todo.
Sei que é errado fugir dos problemas, eu nunca fui esse tipo de pessoa, sempre gostei de enfrentar, de tentar, sou brasileira mesmo, não desisto nunca. Só que agora não quero ser o que fui em muitos aspectos, quero ser melhor, quero tranquilidade, quero emoção, mas não vou continuar dando murro em ponta de faca pra ter isso...
Sei que vai chegar a hora em que precisarei encarar, e vou, vou lutar, mas agora, vai ter que valer a pena. Cansei de ser eu mesma assim como sou, vou ser outra!

PÁSCOA

quinta-feira, 20 de março de 2008



Olha, vê se exerga...
Ei...
O barco tá afundando, a casa tá ruindo.
Será que você realmente não olha mais em nossa direção?
O mundo está se partindo e você tá muito bem acomodado pra o que vier.
Ei, cara! É o nosso mundo viu? Não tá vendo? Ou tá só fingindo esse ar de superioridade, com toda essa arrogância por que acha isso bonito?
Ah, as vezes eu esqueço! Esqueci que não importa até que tudo esteja afogado de uma vez, que só reste os destroços, aí, talvez, você pare e repare em mim sem me ver como uma abominação da natureza.
Já cansei de tentar, de evitar, me enganar...
Não adianta correr tanto para te alcançar, sempre escorrego no fim da corrida. Suas cascas de banana não me deixam em pé por muito tempo.
O desprezo em sua voz já me calou, nem a escuto mais de tanto que repeti o mesmo assunto.
Não adiante te esperar, deixar a poeira baixar, esperar pra ver no que vai dar, porque a espera fica perdida num presente onde nada acontece. Essa espera vira passado e o futuro perde-se nas minhas ilusões e esperanças despedaçadas.(by Flor)

terça-feira, 18 de março de 2008



“Chorei porque não era mais uma criança com a fé cega de criança. Chorei porque não podia mais acreditar e adoro acreditar. Chorei porque daqui em diante chorarei menos. Chorei porque perdi a minha dor e ainda não estou acostumada com a ausência dela.”(Anaïs Nin)

quinta-feira, 13 de março de 2008


"Chorar por tudo que se perdeu, por tudo que ameaçou e não chegou a ser, pelo que perdi de mim, pelo ontem morto, pelo hoje sujo, pelo amanhã que não existe, pelo muito que amei e não me amaram, pelo que tentei ser correto e não foram comigo. Meu coração sangra com uma dor que não consigo comunicar com ninguém, recuso todos os toques e ignoro todas as tentativas de aproximação. Tenho vontade de gritar que essa dor é só minha, de pedir que me deixem só e em paz com ela, como um cão com seu osso. A única magia que existe é estarmos vivos e não entendermos nada disso. A única magia que existe é a nossa incompreensão”
(Caio Fernando Abreu)

O inevitável


O problema do vício é que nunca acaba bem. Porque uma hora, o que quer que estava nos deixando chapados pára de nos fazer bem e começa a machucar. Mesmo assim dizem que você não larga o vício até chegar ao fundo do poço. Mas como você sabe que chegou lá? Não importa o quanto algo está machucando a gente. Às vezes, deixar isso pra lá dói ainda mais.
(Grey’s Anatomy)

Rifa-se um Coração


"Rifa-se um coração quase novo. Um coração idealista. Um coração como poucos. Rifa-se um coração que, na realidade, está um pouco usado, meio calejado, muito machucado e que teima em alimentar sonhos e cultivar ilusões. Um coração inconseqüente e precipitado, que diante de um sorriso mais malicioso já está apaixonado. Rifa-se um coração que nunca aprende. Um coração insensato que comanda o racional sendo louco o suficiente para se apaixonar. Um furioso suicida que vive procurando relações e emoções verdadeiras. Rifa-se um coração que insiste em cometer sempre os mesmos erros. Esse coração que erra, briga, se expõe. Perde o juízo por completo em nome de paixões. Sai do sério e, às vezes, revê suas posições arrependido de palavras e gestos. Rifa-se um coração tão inocente que se mostra sem armaduras e deixa louco o seu usuário. Rifa-se um coração, ou mesmo troca-se por outro, que tenha um pouco mais de juízo.” (Clarice Lispector)

segunda-feira, 10 de março de 2008

Soneto de Véspera


Quando chegares e eu te vir chorando
De tanto te esperar, que te direi?
E da angústia de amar-te, te esperando
Reencontrada, como te amarei?

Que beijo teu de lágrimas terei
Para esquecer o que vivi lembrando
E que farei da antiga mágoa quando
Não puder te dizer por que chorei?

Como ocultar a sombra em mim suspensa
Pelo martírio da memória imensa
Que a distância criou - fria de vida

Imagem tua que eu compus serena
Atenta ao meu apelo e à minha pena
E que quisera nunca mais perdida...
(Vinícius de Moraes)

..."Quando chegou o fim do dia desejei que pudesse voar para longe ao invés de me ajoelhar na areia e catar as lágrimas que caiam na minha mão". 

(Norah Jones)

..."Ainda tenho no ouvido as tuas palavras
Vagas, loucas
Que foram a letra daqueles instantes
em que o amor era música.
(...)
É como se ainda estivesses nos meus braços
como há pouco,
a sós,
e eu te dissesse na boca estas palavras
apenas sussurradas por nós"...

(J. G. de Araújo Jorge)

 

O MULHERÃO

Peça para um homem descrever um mulherão. Ele imediatamente vai falar no tamanho dos seios, na medida da cintura, no volume dos lábios, nas pernas, bumbum e cor dos olhos. Ou vai dizer que mulherão tem que ser loira, 1,80m, siliconada, sorriso colgate.
Mulherões, dentro desse conceito, não existem muitas: Vera Fischer, Malu Mader, Letícia Spiller, Adriane Galisteu, Lumas e Brunas.
Agora pergunte para uma mulher o que ela considera um mulherão e você vai descobrir que tem uma em cada esquina.
Mulherão é aquela que pega dois ônibus para ir para o trabalho e mais dois para voltar, e quando chega em casa encontra um tanque lotado de roupa e uma família morta de fome.
Mulherão é aquela que vai de madrugada para a fila garantir matrícula na escola e aquela aposentada que passa horas em pé na fila do banco para buscar uma pensão de 100 reais.
Mulherão é a empresária que administra dezenas de funcionários de segunda a sexta, e uma família todos os dias da semana.
Mulherão é quem volta do supermercado segurando várias sacolas depois de ter pesquisado preços e feito malabarismo com o orçamento.
Mulherão é aquela que se depila, que passa cremes, que se maquia, que faz dieta, que malha, que usa salto alto, meia-calça, ajeita o cabelo e se perfuma, mesmo sem nenhum convite para ser capa de revista.
Mulherão é quem leva os filhos na escola, busca os filhos na escola, leva os filhos na natação, busca os filhos na natação, leva os filhos para cama, conta histórias, dá um beijo e apaga a luz.
Mulherão é aquela mãe de adolescente que não dorme enquanto ele não chega, é quem de manhã bem cedo já está de pé, esquentando o leite.
Mulherão é quem leciona em troca de um salário mínimo, é quem faz serviços voluntários, é quem colhe uva, é quem opera pacientes, é quem lava a roupa para fora, é quem bota a mesa, cozinha o feijão e à tarde trabalha atrás de um balcão.
Mulherão é quem cria os filhos sozinha, quem dá expediente de 8 horas e enfrenta menopausa, TPM e menstruação. Mulherão é quem arruma os armários, coloca flores nos vasos, fecha a cortina para o sol não desbotar os móveis, mantém a geladeira cheia e os cinzeiros vazios. Mulherão é quem sabe onde cada coisa está, o que cada filho sente e qual o melhor remédio para azia.
Lumas, Brunas, Carlas, Luanas e Sheilas: mulheres nota 10 no quesito lindas de morrer, mas mulherão é quem mata um leão por dia.
Martha Medeiros (Jornal Zero Hora / RS)

sábado, 8 de março de 2008

Para vc ...QUANDO O AMOR VACILA


Eu sei que atrás deste universo de aparências
das diferenças todas a esperança é preservada
nas xícaras sujas de ontem o café de cada manhã é servido
mas existe uma palavra que eu não suporto ouvir
e dela não me conformo
eu acredito em tudo, mas eu quero você agora
eu te amo pelas tuas faltas, pelo teu corpo marcado,
pelas tuas cicatrizes
pelas tuas loucuras todas, minha vida
eu amo as tuas mãos
mesmo que por causa delas eu não saiba o que fazer das minhas
amo teu jogo triste
as tuas roupas sujas,
é aqui em casa que eu lavo
eu amo a tua alegria
mesmo e fora de si eu te amo pela tua essência
até pelo que você podia ter sido
se a maré das circunstâncias não tivesse te banhado nas águas do equívoco
eu te amo nas horas infernais e na vida sem tempo
quando sozinha eu bordo mais uma toalha de fim de semana
eu te amo pelas crianças e futuras rugas
eu te amo pelas tuas ilusões perdidas e pelos teus sonhos inúteis
amo teu sistema de vida e morte
eu te amo pelo que se repete e que nunca é igual
eu te amo pelas tuas entradas, saídas e bandeiras
eu te amo desde os teus pés até o que te escapa
eu te amo de alma para alma
e mais que as palavras
ainda que seja através delas que eu me defenda quando digo que te amo
mais que o silêncio dos momentos difíceis quando o próprio amor vacila. ♪
(Maria Betânia)

Sei que não adianta, que as coisas não estão bem (pra variar), mas essa é minha declaração de amor pra você, que provavelmente nem vai ver, mas tudo bem, como eu te disse hoje, quem sabe um dia você perceba realmente tudo que tentei te dizer. Então quem sabe, você não resolva dar uma olhada nas minhas coisas e veja essa declaração... Quem sabe também, não seja tarde demais como eu acredito que vai ser.
Infelizmente eu me perco em muitas ações e talvez por isso você não leve a sério o que eu te digo...Gostaria que não fosse assim...
Um pacote completo pra você, sempre!

sexta-feira, 7 de março de 2008



“Pois eu me sinto como se tivesse vindo a este mundo há muito,
muito tempo.
Apenas arrasto a vida, como uma barcaça interminável…
E muitas vezes me falta até a vontade de viver.
Claro, tudo isso é besteira.
Basta sacudir-se e tudo passa.”
(A. P. Tchekov)

Image Hosted by ImageShack.us


"Como eu sou girassol, você é meu sol..." (IRA)

Image Hosted by ImageShack.us

terça-feira, 4 de março de 2008


Então me vens e me chega e me invades e me tomas e me pedes e me perdes e te derramas sobre mim com teus olhos sempre fugitivos e abres a boca para libertar novas histórias e outra vez me completo assim, sem urgências, e me concentro inteiro nas coisas que me contas, e assim calado, e assim submisso, te mastigo dentro de mim enquanto me apunhalas com lenta delicadeza deixando claro em cada promessa que jamais será cumprida, que nada devo esperar além dessa máscara colorida, que me queres assim porque assim que és"... (Caio F. Abreu)

Tuas marcas

Eu banho meu corpo
com cuidado
para não apagar
as marcas e lembranças
que imprimes em mim
ao me afagar.


(Olympia Salete Rodrigues)

segunda-feira, 3 de março de 2008

O casal perfeito


A solidão dos homens tem a medida da solidão de suas mulheres. Isso eu disse e escrevi - e repito - em dezenas de palestras por este país afora. Aí me pedem para escrever sobre o casal perfeito: bom para quem gosta de desafios.
O casal perfeito seria o que sabe aceitar a solidão inevitável do ser humano, sem se sentir isolado do parceiro - ou sem se isolar dele? O casal perfeito seria o que entende, aceita, mas não se conforma, com o desgaste de qualquer convívio e qualquer união?
Talvez se possa começar por aí: não correr para o casamento, o namoro, o amante (não importa) imaginando que agora serão solucionados ou suavizados todos os problemas - a chatice da casa dos pais, as amigas ou amigos casando e tendo filhos, a mesmice do emprego, chegar sozinha às festas e sexo difícil e sem afeto.
Não cair nos braços do outro como quem cai na armadilha do “enfim nunca mais só!”, porque aí é que a coisa começa a ferver. Conviver é enfrentar o pior dos inimigos, o insidioso, o silencioso, o sempre à espreita, o incansável: o tédio, o desencanto, esse inimigo de dois rostos.
Passada a primeira fase de paixão (desculpem, mas ela passa, o que não significa tédio nem fim de tesão), a gente começa a amar de outro jeito. Ou a amar melhor; ou, aí é que a gente começa a amar. A querer bem; a apreciar; a respeitar; a valorizar; a mimar; a sentir falta; a conceder espaço; a querer que o outro cresça e não fique grudado na gente.
O cotidiano baixa sobre qualquer relação e qualquer vida, com a poeira do desencanto e do cansaço, do tédio. A conta a pagar, a empregada que não veio, o filho doente, a filha complicada, a mãe com Alzheimer, o pai deprimido ou simplesmente o emprego sem graça e o patrão de mau humor.
E a gente explode e quer matar e morrer, quando cai aquela última gota - pode ser uma trivialíssima gota - e nos damos conta: nada mais é como era no começo.
Nada foi como eu esperava. Não sei se quero continuar assim, mas também não sei o que fazer. Como a gente não desiste fácil, porque afinal somos guerreiros ou nem estaríamos mais aqui, e também porque há os filhos, os compromissos, a casa, a grana e até ainda o afeto, é preciso inventar um jeito de recomeçar, reconstruir.
Na verdade devia-se reconstruir todos os dias. Usar da criatividade numa relação. O problema é que, quando se fala em criatividade numa relação, a maioria pensa logo em inovações no sexo, mas transar é o resultado, não o meio. Um amigo disse no aniversário de sua mulher uma das coisas mais belas que ouvi: “Todos os dias de nosso casamento (de uns 40 anos), eu te escolhi de novo como minha mulher”.
Mas primeiro teríamos de nos escolher a nós mesmos diariamente. Ao menos de vez em quando sentar na cama ao acordar, pensar: como anda a minha vida? Quero continuar vivendo assim? Se não quero, o que posso fazer para melhorar? Quase sempre há coisas a melhorar, e quase sempre podem ser melhoradas. Ainda que seja algo bem simples; ainda que seja mais complicado, como realizar o velho sonho de estudar, de abrir uma loja, de fazer uma viagem, de mudar de profissão.
Nós nos permitimos muito pouco em matéria de felicidade, alegria, realização e sobretudo abertura com o outro. Velhos casais solitários ou jovens casais solitários dentro de casa são terrivelmente tristes e terrivelmente comuns. É difícil? É difícil. É duro? É duro. Cada dia, levantar e escovar os dentes já é um ato heróico, dizia Hélio Pellegrino.
Viver é um heroísmo, viver bem um amor mais ainda. O casal perfeito talvez seja aquele que não desiste de correr atrás do sonho de que, apesar dos pesares, a gente, a cada dia, se escolheria novamente, e amém.
(Lya Luft)

sábado, 1 de março de 2008

Moscas En La Casa


Meus dias sem você são tão escuros tão compridos e acinzentados
meus dias sem você
Meus dias sem você são tão absurdos
Tão amargos, tão duros meus dias sem você
Meus dias sem você não têm noites
Mas se alguma aparecer é inútil dormir
Meus dias sem você são um desperdício
A hora não tem princípio nem fim
Tanta falta de ar,
Tão cheios de nada
Sucata imprestável, lixo no chão
Moscas na casa
Meus dias sem você são como o céu
Sem luas prateadas, nem rastro de Sol
Meus dias sem você são como o eco
Que sempre repete a mesma canção
(...)
Meus dias sem você
Como doem os meus dias sem você
(Shakira)

Quem sabe?





"Daí vai ficando por aí
Eu vou ficando por aqui
Evitando, desviando,
sempre pensando se
por acaso a
gente se encontrasse".
(Alice Ruiz)


Para minha amiga, 'MC'





Era música...


(Para leres, ouvindo a "Transfiguração do amor, de Tristão e Isolda", de Wagner)

E então soprou um vento de ternura intensa.
E as nuvens se dispersaram, e eu vi que meu coração emergia
como um alto cume de montanha, dourado de sol,
musicado de pássaros e águas.
Olhava teus olhos, tuas mãos, teus cabelos, teu corpo...

Teu corpo era como um caminho sinuoso por onde saí desesperado
a procurar-te.
E, de repente, tomei-te nos braços, afaguei-te a cintura, recolhi-te ao meu peito.
Teu coração inquieto pulsava mais que o córrego das montanhas,
batia asas de pássaro encandeado.

E de repente saímos livres e felizes, como simples animais de Deus
com a direção dos ventos.
Faminto, colhi-te como um fruto! Sedento, bebi-te como a água!
Marquei meus dentes em tua carne
e escorreste pela minha boca, pelo meu pescoço, pelo meu peito.

Meus braços foram tuas formas. Minhas mãos te conheceram.
Desmanchei-te os cabelos, e me perdi. Nossas bocas se uniram, e se esqueceram.
Tatearam meus lábios escalando cumes,
devassando vales.

E fiquei em ti, vivo e silencioso, como o sangue nas veias,
como a seiva na raiz.
E desci sobre ti e me entranhei, como a chuva descendo e molhando.
E quando falamos: era música.
(J. G. de Araújo Jorge)

Valsinha


Um dia ele chegou tão diferente do seu jeito de sempre chegar
Olhou-a dum jeito muito mais quente do que sempre costumava olhar
E não maldisse a vida tanto quanto era seu jeito de sempre falar
E nem deixou-a só num canto, pra seu grande espanto convidou-a pra rodar
E então ela se fez bonita como há muito tempo não queria ousar
Com seu vestido decotado cheirando a guardado de tanto esperar
Depois o dois deram-se os braços com há muito tempo não se usava dar
E cheios de ternura e graça foram para a praça e começaram a se abraçar
E ali dançaram tanta dança que a vizinhança toda despertou
E foi tanta felicidade que toda cidade enfim se iluminou
E foram tantos beijos loucos, tantos gritos roucos como não se ouvia mais
Que o mundo compreendeu
E o dia amanheceu
Em paz
(Vinícius de Moraes e Chico Buarque de Holanda)

Ah! Se isso acontecesse na vida de pessoas que precisam...Que sonham, que esperam. Ou como muitas, nem esperam mais.E que supresa seria...Sonhar com a doçura da vida é tão bom. E quando ela continua existindo, mesmo com problemas, mesmo com todos os defeitos do outro, mesmo exergando o outro como ele realmente é, sem personagens idealizados, um dia de doçura alimenta a alma. Todo relacionamente precisa disso...Um dia, só um dia perdido, um dia de amor, de paixão, de sensibilidade, de começo, uma novidade para a rotina dos dias, um alimento para aquela que pessoa sentir que continua importante, que você ainda a escolhe todos os dias, mesmo não dizendo, não lembrando, é ela e nada mais.

Meu ser

"Eu nunca poderia ser feliz sem meu pouco trágica. Eu nunca posso estar satisfeita sem meu pouco idealista e eu nunca poderei ser mulher porque ainda falta pouco, muito pouco, mas eu sei que sempre faltará.
Me completo de poucos, mas sigo esperando demais de tudo.
(...)
Corro no desespero desses dias, da vida que virá, dos sonhos realizados, da felicidade, do sorriso banguelo da pureza infinita de um ser gerado por mim. Da luz.
Meu pouco pessimista sabe que nada disso pode acontecer. Mas sigo com meu pouco otimista, aprendendo que ele a cada dia aumenta um pouco.
Quem em cada pouco põe tudo que é merecer ser feliz. E muito".

(Tati Bernardi)

Amor

Amor não se implora, não se pede, não se espera...
Amor se vive ou não.
Ciúmes é um sentimento inútil. Não torna ninguém fiel a você.
Animais são anjos disfarçados, mandados à terra por Deus para mostrar ao homem o que é fidelidade.
Crianças aprendem com aquilo que você faz, não com o que você diz.
As pessoas que falam dos outros pra você, vão falar de você para os outros.
Perdoar e esquecer nos torna mais jovens.
Água é um santo remédio.
Deus inventou o choro para o homem não explodir.
Ausência de regras é uma regra que depende do bom senso.
Não existe comida ruim, existe comida mal temperada.
A criatividade caminha junto com a falta de grana.
Ser autêntico é a melhor e única forma de agradar.
Amigos de verdade nunca te abandonam.
O carinho é a melhor arma contra o ódio.
As diferenças tornam a vida mais bonita e colorida.
Há poesia em toda a criação divina.
Deus é o maior poeta de todos os tempos.
A música é a sobremesa da vida.
Acreditar, não faz de ninguém um tolo. Tolo é quem mente.
Filhos são presentes raros.
De tudo, o que fica é o seu nome e as lembranças a cerca de suas ações.
"Obrigada, desculpa, por favor" são palavras mágicas, chaves que abrem portas para uma vida melhor.
O amor... Ah, o amor...
O amor quebra barreiras, une facções,
destrói preconceitos,
cura doenças...
Não há vida decente sem amor!
E é certo, quem ama, é muito amado.
E vive a vida mais alegremente...

(Artur da Távola)

;;
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Sentimentos Soltos

Template by:
Free Blog Templates